terça-feira, 26 de julho de 2011

A maré esta mudando,
o sudeste esta entrando
Procelas veem se aproximando
Corro pro timão sabendo que nada poderei fazer.
A não ser enfretar mais uma vez e perder
Toda a razão e todo saber
Por que em nenhum dia desta vida vou esquecer
Caminhos como esses percorridos
Por coisas como essas é que me orgulho de ter vivido
Ao lado de pessoas como você
Então tudo o que eu queria era estar afim
Mas nada veio em minha direção
É como se no coração só houvesse
Uma pequena ponta de frustração.

Eu tentava que ele mantivesse
Toda dignidade em forma de oração
Mesmo que fossem maneiras vãs
De elucubrar pensamentos absortos
Acabo percebendo que em gris manhas
Fico como uma fêmea após um aborto
Abatida, pálida, doida, sangrando