quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Val

Entre a minha casa e a tua
há uma ponte de estrelas
uma ponte de silêncios.
Mario Quintana

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Orgulho de ser Brasileiro

Eeeee judiciário brasileiro!!!!! Quem deveria dar a porrada, afaga! entao vamos que vamos. Pq o povo brasileiro não é tão diferente deles... agora votem em todos os fichas sujas! comediantes! jogadores! mulheres frutas! cantores e por ai vai... Vamos lá povo brasileiro, mostrar pros juristas que precisamos sim de leis pra poder fazer o que é certo. pq sem essa MERDA de ordenamento não conseguimos segurar um garfo pra comer!
Ai to vendendo o meu voto: por um saco de farinha e um par de sapato (pode ser furado mesmo)! Quem vai comprar banana!

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Kahlo


Ser grande, basta ser simples
Cristo, Gandhi, jasmim;
Ser enorme basta ser percebida
Patativa, trabalho, Frida.
Céu em Brasília, cheiro mato molhado;
Figurar ao seu lado, maior prazer.
Gostoso,
esgotado.

sábado, 31 de julho de 2010

problemas

Os problemas existem e pronto
A vida é simples
As flores crescem e morrem
Sem problemas
O sol nasce e põem
Sem problema
Não falta água nem comida
Sem problema
Os pássaros cantam
E a angustia humana permanece com os seus.

Amor com dor

Amor com dor
rimar é fácil
Difícil, meu bem,
é rimar
amor com amor.

Julia de Olveira

luz

Algum dia pretendo correr mais que o sol
Luzes que cegam, cartas que desorientam
Todas as músicas tocam em dó
A alegria de um dia poder não ter então
E saber que não mais estarei só
E junto ao teu corpo estará a minha mão

Bach

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Cacos de vida

Depois de ter a sua vida lapidada
Na forma dum cristal que embreaga
O pôs em um pedestal
Não sentiu que a cada dia se ofuscava

Cacos de vida espalhados pelo chão
Brilhantes como diamantes
Cortante como vidro ...
Pujante como amantes.

A desgraça veio em lágrimas
Oras tu que agora passas
Não percebes o mal e a desgraça
Que cabe num coração.

Agora não há do que lamuriar
Contudo, o que pensar
Os erros da vida
Os males do coração.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

flor

Arcos que borram as íris
Guardas que empurram pelas costas
Beijo que não tem gosto de flor
Onde estou? Quem eu sou?

Portas que se abrem em paisagens
Cantos que se curvam em mensagens
Vida que segue. Amor que se negue
Lua sem inspiração.

Quando do torpor irei me livrar
Quanto de dor pode suportar.
Até que o dia acabe
Até que a noite me cale
Até eu amar.

quinta-feira, 27 de maio de 2010

sábado, 8 de maio de 2010

nem sempre as coisas se movem

Eu sei o que você quer.
Mas nem tudo no mundo muda
Eu sei pelo que você reza
Mas algumas coisas são inertes
Então, entenda de uma vez por todas
As minhas palavras não são nuas.

terça-feira, 4 de maio de 2010

Cansada....

"Ah! eu estou tão cansada!
Cansada dessa eterna gangorra emocional ...
cansada do interminável sobe e desce, da expectativa, da inquietude, da agitação... cansada de ser sacodida pro alto toda vez que sinto a ponta dos meus pés tocarem de novo o chão...
cansada dos infinitos altos e baixos dessa constante montanha russa em que descarrila o meu coração...
cansada de saber que vou despencar violentamente depois de cada longa e lenta subida e cansada de me sentir parada no meio de um gigantesco looping, num túnel que não tem saída...
cansada de me sentir só com tanta gente à minha volta...
cansada do dolorido grito inaudível que ecoa dentro de mim quando tudo ao meu redor é silêncio...
cansada desse pandemônio em minh'alma mesmo quando a paz me circunda...
cansada desse imenso vazio que preenche todo o meu ser..."
fragmento de um texto de Vanda Vasconcelos

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Languido espaço tempo
Onde o inverno dura um ano
E o verão menos que o pensar
De lembrar esforço faço para não
De querer suplico para o não ter.
Olho pela janela e vejo um mundo
Ao qual não quero pertencer

terça-feira, 16 de março de 2010

Mas ninguém viveu no passado, nem viverá no futuro
O presente é a forma de toda vida
É uma posse que nenhum mal pode lhe tomar
O tempo é como um circulo que gira infinitamente
É o arco que desce e o passado e o que sobe é o futuro.