sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

cova rasa

Alguma coisa na chuva se mexe
São os dias que não tem canto
São os dias que se movem com rapidez
Que me deixam se pensar e me fazem chorar
Que trazem consigo toda a insensatez
Que no passado havia ficado
Morto, calado e inebriado.
Mas hoje insiste em viver e retratar
Coisas que nem na saudade estavam mais registradas
Que estavam sepultadas numa cova rasa
Hoje eu sei, rasa.

Ipê

Queria saber qual a cor do seu coração
Pra poder ao menos entender.
Enquanto deslizo sobre curvas
Que enegrecem o meu colher
A vida vivida sem ti é a vida
Não desejada, nem amada;
É apenas a vida passada
Pela metade de minha alma
Do terço da minha sala
Dos quintos da minha alegria
Mesmo que pertença ao dobro do meu sofrimento
Ah se tudo fosse diferente
Cavalos marinhos, Ipes amarelos, botos rosas
Mas hoje é como que lhe perder
é cinza, escuro, turvo.

Falta

abro o armário a pocura daquela camisa verde
procuro o cd do cartola e o encontro
num lugar que nao devieria estar, mas estava ali.
abro a geladeira e encotro tudo como antes estava,
cervejas, salme, ovos, queijo, suco, água, refri.
Tudo esta em seu lugar, na mais perfeita ordem
Mas há alguma coisa estranha, falta algo
Nao sei dizer o que é, mais falta
pois cores não são
mais a mesma
não mais.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

solidao com vista pro mar, é tudo que eu posso te dar

Às vezes eu quero chorar
Mas o dia nasce e eu esqueço
Meus olhos se escondem
Onde explodem paixões
E tudo que eu posso te dar
É solidão com vista pro mar
Ou outra coisa p'ra lembrar
Às vezes eu quero demais
E eu nunca sei se eu mereço
Os quartos escuros pulsam
E pedem por nós
E tudo que eu posso te dar
É solidão com vista pro mar
Ou outra coisa p'ra lembrar
Se você quiser eu posso tentar mas
Eu não sei dançar
Tão devagar
Pra te acompanhar


Marina Lima

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Para ela que é especial como um dia branco

"Se você vier
Pro que der e vier
Comigo...

Eu lhe prometo o sol
Se hoje o sol sair
Ou a chuva...

Se a chuva cair
Se você vier
Até onde a gente chegar
Numa praça
Na beira do mar
Num pedaço de qualquer lugar...

Nesse dia branco
Se branco ele for
Esse tanto
Esse canto de amor
Oh! oh! oh...

Se você quiser e vier
Pro que der e vier
Comigo

Se você vier
Pro que der e vier
Comigo...

Eu lhe prometo o sol
Se hoje o sol sair
Ou a chuva...
Se a chuva cair

Se você vier
Até onde a gente chegar
Numa praça
Na beira do mar
Num pedaço de qualquer lugar...

E nesse dia branco
Se branco ele for
Esse canto
Esse tão grande amor
Grande amor...

Se você quiser e vier
Pro que der e vier
Comigo

Comigo, comigo."
Geraldo Azevedo

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Atrás da Porta

Quando olhaste bem nos olhos meus
E o teu olhar era de adeus
Juro que não acreditei
Eu te estranhei
Me debrucei
Sobre teu corpo e duvidei
E me arrastei e te arranhei
E me agarrei nos teus cabelos
No teu peito *
Teu pijama
Nos teus pés
Ao pé da cama
Sem carinho, sem coberta
No tapete atrás da porta
Reclamei baixinho

Dei pra maldizer o nosso lar
Pra sujar teu nome, te humilhar
E me vingar a qualquer preço
Te adorando pelo avesso
Pra mostrar que inda sou tua
Só pra provar que inda sou tua...

Chico Buarque/Francis Hime

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

À Carol


Depois de ter voce
Para que querer saber que horas são?
Se é noite ou faz calor
Se estamos no verão
Se o sol virá ou não
Ou pra que é quer serve uma canção como essa?
Depois de ter voce poetas para quê?
Os deuses, as dúvidas?
Para que amendoeiras pelas ruas?
Para que servem as ruas?depois de ter voce.
Adriana Calcanhoto

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Hamlet V

Enter GHOST and HAMLET
HAMLET
Where wilt thou lead me? speak; I'll go no further.

Ghost
Mark me.

HAMLET
I will.

Ghost
My hour is almost come,
When I to sulphurous and tormenting flames
Must render up myself.

HAMLET
Alas, poor ghost!

Ghost
Pity me not, but lend thy serious hearing
To what I shall unfold.

HAMLET
Speak; I am bound to hear.

Ghost
So art thou to revenge, when thou shalt hear.

HAMLET
What?

Ghost
I am thy father's spirit,
Doom'd for a certain term to walk the night,
And for the day confined to fast in fires,
Till the foul crimes done in my days of nature
Are burnt and purged away. But that I am forbid
To tell the secrets of my prison-house,
I could a tale unfold whose lightest word
Would harrow up thy soul, freeze thy young blood,
Make thy two eyes, like stars, start from their spheres,
Thy knotted and combined locks to part
And each particular hair to stand on end,
Like quills upon the fretful porpentine:
But this eternal blazon must not be
To ears of flesh and blood. List, list, O, list!
If thou didst ever thy dear father love--

HAMLET
O God!

Ghost
Revenge his foul and most unnatural murder.

HAMLET
Murder!

Ghost
Murder most foul, as in the best it is;
But this most foul, strange and unnatural.

HAMLET
Haste me to know't, that I, with wings as swift
As meditation or the thoughts of love,
May sweep to my revenge.

Ghost
I find thee apt;
And duller shouldst thou be than the fat weed
That roots itself in ease on Lethe wharf,
Wouldst thou not stir in this. Now, Hamlet, hear:
'Tis given out that, sleeping in my orchard,
A serpent stung me; so the whole ear of Denmark
Is by a forged process of my death
Rankly abused: but know, thou noble youth,
The serpent that did sting thy father's life
Now wears his crown.

HAMLET
O my prophetic soul! My uncle!

Ghost
Ay, that incestuous, that adulterate beast,
With witchcraft of his wit, with traitorous gifts,--
O wicked wit and gifts, that have the power
So to seduce!--won to his shameful lust
The will of my most seeming-virtuous queen:
O Hamlet, what a falling-off was there!
From me, whose love was of that dignity
That it went hand in hand even with the vow
I made to her in marriage, and to decline
Upon a wretch whose natural gifts were poor
To those of mine!
But virtue, as it never will be moved,
Though lewdness court it in a shape of heaven,
So lust, though to a radiant angel link'd,
Will sate itself in a celestial bed,
And prey on garbage.
But, soft! methinks I scent the morning air;
Brief let me be. Sleeping within my orchard,
My custom always of the afternoon,
Upon my secure hour thy uncle stole,
With juice of cursed hebenon in a vial,
And in the porches of my ears did pour
The leperous distilment; whose effect
Holds such an enmity with blood of man
That swift as quicksilver it courses through
The natural gates and alleys of the body,
And with a sudden vigour doth posset
And curd, like eager droppings into milk,
The thin and wholesome blood: so did it mine;
And a most instant tetter bark'd about,
Most lazar-like, with vile and loathsome crust,
All my smooth body.
Thus was I, sleeping, by a brother's hand
Of life, of crown, of queen, at once dispatch'd:
Cut off even in the blossoms of my sin,
Unhousel'd, disappointed, unanel'd,
No reckoning made, but sent to my account
With all my imperfections on my head:
O, horrible! O, horrible! most horrible!
If thou hast nature in thee, bear it not;
Let not the royal bed of Denmark be
A couch for luxury and damned incest.
But, howsoever thou pursuest this act,
Taint not thy mind, nor let thy soul contrive
Against thy mother aught: leave her to heaven
And to those thorns that in her bosom lodge,
To prick and sting her. Fare thee well at once!
The glow-worm shows the matin to be near,
And 'gins to pale his uneffectual fire:
Adieu, adieu! Hamlet, remember me.

Exit

Shakespeare

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Nórdico

Yggdrasil!
Que as Norims enrole os meus fios aos teus!
Que festeje com vocês no castelo de Odin!
Ainda que por toda a eternidade dure a cerveja,
Mesmo que as batalhas não findem,
Espero que o escudo não caia,
Que o machado não destraia,
Até a eternidade!

terça-feira, 21 de julho de 2009

em quando isso na sala de justiça

terça-feira, 14 de julho de 2009

Axiomas

queria poder falar mal,
mas também queria poder falar bem.
As vezes é muito chato pensar como Mosca, Pareto ou Michels.
ficar imparcial já é por vezes ser parcial, dizia Weber.
Quando o dia acabar e eu ficar elocubrando sobre as curvas de indiferenças,
As transitvdades e refexões das preferências em uma relação binária
Estarie de alguma forma colocando o que há de irracional na racionalidade.
Axiomas fracos, difusos e mal acabados estruturam toda a forma de pensar e encarar uma ciência ou varias.
Que a falácia do homem de palha, não acabe. Que a vida seja longa.
Céu azul em Brasilia

Clarice

"Estou cansado de ser vilipendiado, incompreendido e descartado
Quem diz que me entende nunca quis saber
Aquele menino foi internado numa clínica
Dizem que por falta de atenção dos amigos, das lembranças
Dos sonhos que se configuram tristes e inertes
Como uma ampulheta imóvel, não se mexe, não se move, não trabalha.
E Clarisse está trancada no banheiro
E faz marcas no seu corpo com seu pequeno canivete
Deitada no canto, seus tornozelos sangram
E a dor é menor do que parece
Quando ela se corta ela se esquece
Que é impossível ter da vida calma e força
Viver em dor, o que ninguém entende
Tentar ser forte a todo e cada amanhecer.
Uma de suas amigas já se foi
Quando mais uma ocorrência policial
Ninguém entende, não me olhe assim
Com este semblante de bom-samaritano
Cumprindo o seu dever, como se eu fosse doente
Como se toda essa dor fosse diferente, ou inexistente
Nada existe pra mim, não tente
Você não sabe e não entende
E quando os antidepressivos e os calmantes não fazem mais efeito
Clarisse sabe que a loucura está presente
E sente a essência estranha do que é a morte
Mas esse vazio ela conhece muito bem
De quando em quando é um novo tratamento
Mas o mundo continua sempre o mesmo
O medo de voltar pra casa à noite
Os homens que se esfregam nojentos
No caminho de ida e volta da escola
A falta de esperança e o tormento
De saber que nada é justo e pouco é certo
E que estamos destruindo o futuro
E que a maldade anda sempre aqui por perto
A violência e a injustiça que existe
Contra todas as meninas e mulheres
Um mundo onde a verdade é o avesso
E a alegria já não tem mais endereço
Clarisse está trancada no seu quarto
Com seus discos e seus livros, seu cansaço
Eu sou um pássaro
Me trancam na gaiola
E esperam que eu cante como antes
Eu sou um pássaro
Me trancam na gaiola
Mas um dia eu consigo existir e vou voar pelo caminho mais bonito
Clarisse só tem 14 anos..."
Renato Russo

domingo, 12 de julho de 2009

The last resort is the hot iron. (2)

Towards the end of the night you shall hear shrill cries. (4)


Have faith in a stone and you will be healed. (11)


Colder than a water carrier's arse. (19)


Farther than earth from heaven. (27)


The son of a son is dear, the son of a daughter a stranger. (34)


The son of your son is yours, the son of your daughter is not. (35)


A man of sixty (is only good) for slaughtering. (lit. for the knife) (42)


When your son is young, discipline him; when he grows older, be a brother to him. (54)


A man with one plan (lit. intention) goes out (to execute it); a man with two plans becomes perplexed. (57)


Let truble (lit. evil) alone, and trouble will let you alone. (61)


Tire out your body, but not your mind. (62)


Exert effort, you shall be rewarded. (lit. tire yourself out for the sake of something and you shall get it.) (63)


When the wolf comes for the sheep, the dog goes to deficate. (73)


What luck! It is God-sent. (lit. It came, and God brought it.) (84)


(When) They came to shoe the horseof the sultan, the beetle (came along) and stuck out her foot. (94)


An intelligent deaf-mute is better than an ignorant person who can speak. (115)


If your messenger tarries, expect good. (128)


If you conduct yourself properly, fear no one. (130)


If you come back from a journey, offer your family (something) thoughit be only a stone. (137)

Aborto

Ele se foi mesmo se ter me visto.
A pessoa que mais amaria, nem cheguei a conhecer.
E a única coisa que poderei fazer é imaginar os seus olhos.
Seu sorriso em vitro me traz vergonha.
Amor era tudo. Hoje nada mais é.
Please to introduce me… I’m the evil. I hope don’t shall want you guess my name.
O pior mal a mim já feito, não há dor, culpa ou sentimento que se iguale ao da vergonha.
Maior que isso há. Mas eu mesmo?
Não desejo, quero passar
Oh baby i so tair man for the government man in the public school.
I was, I was, I was.
Sometimes, sometimes I was, I was. No I was.
I want to take my pleaser, I goanna miss. But your eyes
Don’t forget me about us.

domingo, 5 de julho de 2009

Biblioteca

Como pode? este lugar se tornou a minha primeira casa.
Numa rotina diaria de 08:00 a 00:00. Estou ficando e saco cheio. Hj 10:05 pausa pra saber o que esta acontecendo mundo, ler e-mails.
Queria estar na Flip, mas infelizmente estou aqui.Biblioteca, minha primeira casa até terça feira.
indicadores econômicos de sexta.
Bovespa -0,18% 50,934 03/07 17h18
Nasdaq -2,66% 1796,52 02/07 17h34
Ouro 250 g BMF +0,51% 58,800 03/07 14h23
CAC&FR +0,09% 3119,51 03/07 12h37
DAX -0,21% 4708,21 03/07 13h00
Dólar comercial +0,05% R$ 1,9530 03/07 16h35
Euro -0,18% R$ 2,72285 03/07 21h58
Poupança 0,55480% 03/07
fonte: Jornal Folha de São Paulo

sábado, 4 de julho de 2009

ao entrepasso

COMO uma Gestalt, ela NAO SE FECHA
COMO KAFKA eu PROCESSO
COMO NICHSHTZ você PROTESTA
COMO UMA TEORIA MARXISTA FICAMOS!

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Puta que pariu! Só faltava essa, né almeda!

sete cidades

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Vladimir Maiakovisvki

Costurarei calças pretas
com o veludo da minha garganta
e uma blusa amarela com três metros de poente.
pela Niévski do mundo, como criança grande,
andarei, donjuan, com ar de dândi.

Que a terra gema em sua mole indolência:
"Não viole o verde de as minhas primaveras!"
Mostrando os dentes, rirei ao sol com insolência:
"No asfalto liso hei de rolar as rimas veras!"

Não sei se é porque o céu é azul celeste
e a terra, amante, me estende as mãos ardentes
que eu faço versos alegres como marionetes
e afiados e precisos como palitar dentes!

Fêmeas, gamadas em minha carne, e esta
garota que me olha com amor de gêmea,
cubram-me de sorrisos, que eu, poeta,
com flores os bordarei na blusa cor de gema!

terça-feira, 23 de junho de 2009

segunda-feira, 22 de junho de 2009

pesadelo

"Amor,
essa noite tive um pesadelo horrível, sabe, começou a dar uma aflição física, uma angústia doída, foi péssimo. Não sei pq tinhamos terminado o namoro, brigamos muito, nem nos olhavamos direito. Passado um tempo, namorando com outra pessoa, sentia um vazio pq te amava muito.
Implorei, supliquei para voltarmos, mas você me ignorava, nem me dava bola... Era como se nada tivesse sentido para mim!
Desejo que isso nunca aconteça, sei que não acontecerá.
TE AMO, VIU? Agora de tarde vou ao shopping com a Buba, depois te escrevo!!!!!!!!!!!!!
Beijos com gosto de chocolate nessa sua boca gostosa,(...)"

domingo, 21 de junho de 2009

~

saudade de um baixo que fará parte de minha vida para semrpe!
O amo como filho fosse, em verdade ele é meu filho. Tenho saudades das noites em que acordava para fazer suas mamadeiras,trocar fraldas, das histórinhas lidas para sua noite de sono, seus pesadelos que me fazia acordar para consola-lo em seu sono, seu rager de dentes e meu nome sendo pronunciado por ele ( TITO!). Ouvi-lo falar de dinosáuros com toda a propriedade de um paleontólogo( nem parecendo que é uma criança) mas ao mesmo tempo sua felicidade por um chocolate apresentado. Suas risadas gostosas, seus desenhos animados, seus olhos azuis. Passar o dia no Zoológico, Divertilandia, correria pela casa, sorvete na palato, voltas de carro para que ele dormisse, supertrunfo, etc...
Amo vc Guigo e a saudade é grande!

U

hoje não é dia de Tchekov nem de Dostoievisk,
Hoje quero um Brecht
Quero ser denso sem ser denso.
Quero prolixidade sem confusão
quero ser povo, quero o seu azul
quero sim ir de norte a sul
mas o que eu quero mesmo é um dia no rio
mesmo que nublado, mas se tiver sol
eu quero mais ainda
Não se esqueça! a coisa ta preta
Durma em paz! que os anjos digam amem!
##############################################
Amanha tem seminário de economia industrial.
amanha vou querer ser do contrar, quero ver o circo pegar fogo!
Tomará que a academia funcione amanha! To meio cançado de verdade absolutas que são completamente relativas.... E se depender de mim um pouco dessa relatividade será discutida!

sábado, 20 de junho de 2009

pra que a matemática? Um dia eu ja fui três e hoje sou dois amanha serei um e depois nada!

What am i to you?

What am I to you?

Tell me darlin' true
To me you are the sea
Vast as you can be
And deep the shade of blue

When you're feelin' low
To whom else do you go?
I'd cry if you hurt
I'd give you my last shirt
Because I love you so

Now if my sky should fall
Would you even call?
I've opened up my heart
I never want to part
I'm givin' you the ball

When I look in your eyes
I can feel the butterflies
I'll love you when you're blue
But tell me darlin' true
What am I to you?

If my sky should fall
Would you even call?
I've opened up my heart
I never wanna part
I'm givin' you the ball

When I look in your eyes
I can feel the butterflies
Could you find a love in me?
Would you carve me in a tree?
Don't fill my heart with lies
I will love you when you're blue
But tell me darlin' true
What am I to you?
Norah Jones

Sobre macro e economia.

Que a economia não é uma coisa óbvia, todo mundo sabe. Ainda mais em momentos de crise como esse. Ai mesmo é que ninguém entende porra nenhuma, nem mesmo os economistas, que por sinal tem em suas conversas muito mais retórica do que aqueles filósofos, sociólogos, cientistas políticos de Boteco. Por que fazem, lêem e acreditam em manuais de economia, mas na hora de aplicar os rasgam. Mais ou menos assim: Um cara passa sei lá quantos anos pra virar um cirurgião. Seis anos de faculdade de medicina, não sei quantos mais de residência, etc.. e quando chega na hora de fazer a cirurgia, não usa nada do que aprendeu. Ai começa apelar pras mandingas de um pajé de uma tribo qualquer.
Vejam vocês, assim que a crise havia sido anunciada o senhor Henrique Meireles, presidente do BC (banco central do Brasil) elevou a selic (taxa básica de juros) com a justificativa de manter os preços, por conta duma alta na demanda por alimentos. O Lehman Brothers havia acabado de pedir concordata e ele me faz uma coisa dessas (um aumento na taxa de juros diminui o investimento que por sua vez faz com que o PIB caia) aqui quero deixar claro que não sou novo clássico, e nem novo keynesiao. Mas se você não sabe o que dizer é melhor ficar calado, não sei quanto a vocês, mas eu penso assim. E se parasse por ai, mas não. Pra “mudar" a política monetária( choque positivo na curva de LM) faz o que? Diminui a taxa de redesconto(a idéia aqui é que “todo mundo” aceita deposito a vista, então os bancos sabendo que não haverá uma correria para retirada da grana que esta em seu poder gera dinheiro. Esse redesconto aumenta ou diminui esse poder de criar moeda escritural) . Puta que pariuuuu, não isso não! Imagina que você é um banco. Existe uma crise lá fora. Então o cenário é de completa incerteza. Vocês acham mesmo que o banco está disposto a emprestar uma grana que não sabe se vai receber? Ele senta em cima dessa nova liquidez que o BC tentou criar. E não acontece nada. Primeira aula de economia monetária.
Não é raro no Brasil, encontrarmos Henriques Meireles na tomada de decisão política. Mas sabe o que mais me deixa puto, revoltado, embasbacado? É que esses caras ainda são considerados gênios. Pelo amor de Deus!!! Delfim Neto, Rui Barbosa,JK, etc... são exemplos claros disso.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

قررت محكمة عوفر العسكرية الإسرائيلية الإفراج عن رئيس المجلس التشريعي الفلسطيني عزيز الدويك صباح اليوم, قائلة إن تاريخ 17 يونيو/حزيران الجاري هو موعد انتهاء محكوميته البالغة ثلاثة أعوام.

وقال فادي القواسمي محامي الدكتور الدويك إن المحكمة العسكرية رفضت استئناف النيابة العسكرية الإسرائيلية في جلسة ثانية للمحكمة اليوم الأربعاء في محكمة عوفر، وهذا يعني أن الدكتور سيفرج عنه خلال يومين كأقصى حد.

وأشار القواسمي في تصريح خاص للجزيرة نت إلى أن المحكمة العسكرية قررت رفض الاستئناف الذي تقدمت به النيابة العسكرية والذي ادعت فيه النيابة أن الدويك يشغل منصب رئيس المجلس التشريعي "وأنه إذا كان النواب الآخرون حكم عليهم بالسجن 42 شهرا فالدويك ولمنصبه كرئيس للمجلس يجب أن يكون أكثر من ثلاث سنوات".

وقال إن المحكمة رفضت الاستئناف لأن النيابة لم تثبت أن الدكتور الدويك من قائمة التغيير والإصلاح المحسوبة على حركة المقاومة الإسلامية (حماس)، وبالتالي لم تكن هناك أدلة كافية على ذلك، وأبقت المحكمة على الحكم المقرر بثلاث سنوات.

وأضاف القواسمي "بما أن الدكتور الدويك معتقل منذ السادس من أغسطس/آب 2006 فالإفراج عنه يكون بالتاريخ ذاته من العام الجاري، إلا أن مصلحة السجون وبحسب صلاحياتها قللت المدة ليتزامن الإفراج عنه اليوم الأربعاء، ولكن نظرا لبعض الإجراءات فإن الإفراج سيكون خلال يومين".

يشار إلى أكثر من أربعين نائبا ووزيرا فلسطينيا لا يزالون يقبعون في سجون الاحتلال الإسرائيلي، وأن غالبية النواب اعتقلتهم إسرائيل عقب فوز حركة حماس بالانتخابات التشريعية الفلسطينية في يناير/كانون الثاني 2006.

وقد منعت مصلحة السجون الإسرائيلية طواقم القنوات التلفزيونية من الدخول إلى قاعة المحكمة.

وقالت مراسلة الجزيرة إن القرار سيلقي بظلاله على الوضع الداخلي الفلسطيني والحوار الدائر بشأن المصالحة.
Escrito por المصدر: الجزيرة
ba
Como pode? As vezes me pego pensado até que ponto isso pode ser possível! Sei que existe um problema cultural de minha parte. Sei também que não há condições a minha pessoa de fazer julgamentos, citando Vilfredo Pareto, ”(...) não há espaço aqui para juízo de valores.(...)” Mas puta que pariu! COMO ASSIM Mahmoud Ahmadinejad? E o que você acha que vai fazer o Grande Conselho? La ilaha Ilullah Muhammadar Rasululah! Então a única coisa que posso fazer é esperar e rezar pra ver no que vai dar! Vamos lá Mir-Houssein Mousavi !!!!!!

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Pode um homem sozinho ser livre?
Se todo contrato social se vale quando mais de um há
Pra que ser livre? Por que não ser só!
Ainda que uma viagem à cidade se faça
Não importam as profecias de Ramfis ou as conjurações de Aminéris,
Muitos menos os seus quereres. Só importa Aida, Aida.
Em meio a batalhas behavioristas me encontro
Se em meio a multidão não me acho.
O que há de ser de vós?
Indagações ex-post há muito não servem.
Perturbações ad tempus factum, quebram
A casa ainda continua amarela,
Viva la Vida! Fidra!
Marcus Almeida
bsb 15/06/09

domingo, 14 de junho de 2009

quinta-feira, 11 de junho de 2009

em uma covariânça positiva os paramentros agem
numa correlação negativa os estimadores estimam
assim como tudo nesta vida se é ponderado, pesado, medido.
Soluções para Pareto ótimo só acontece em quadro, branco ou negro.
mesmo que um dia tudo seja exógeno a mim.
Eu ainda assim serei endógeno em si.
Esse problema de reflexões sobre auto-imagem, que merda!
Faz-se odiar a falácia do homem de palha
Prensete em Sartre, Foucault, franceses, você não acha?

domingo, 7 de junho de 2009

Num Corpo Só

Criancas iraquianas

DIsneylândia

Filho de imigrantes russos casados na Argentina com uma pintora judia, casou-se pela segunda vez com uma princesa africana no México.Música hindú contrabandeada por ciganos poloneses faz sucesso no interior da Bolívia.Zebras africanas e cangurus australianos no zoológico de Londres.Múmias egípcias e artefatos incas no museu de Nova York.Lanternas japonesas e chicletes americanos nos bazares coreanos de São Paulo.Imagens de um vulcão nas Filipinas passam na rede de televisão em Moçambique.Armênios naturalizados no Chile procuram familiares na Etiópia.Casas pré-fabricadas canadenses feitas com madeira colombiana. Multinacionais japonesas instalam empresas em Hong-Kong e produzem com matéria prima brasileira para competir no mercado americano.Literatura grega adaptada para crianças chinesas da comunidade européia.Relógios suiços falsificados no Paraguai vendidos por camelôs no bairro mexicano de Los Angeles.Turista francesa fotografada semi-nua com o namorado árabe na baixada fluminense.Filmes italianos dublados em inglês com legendas em espanhol nos cinemas da Turquia.Pilhas americanas alimentam eletrodomésticos ingleses na Nova Guiné.Gasolina árabe alimenta automóveis americanos na África do Sul.Pizza italiana alimenta italianos na Itália.Crianças iraquianas fugidas da guerra não obtém visto no consulado americano do Egito para entrarem na Disneylândia.
Arnaldo Antunes

Picasso

( Old man with a Guitar- Picasso o)

Copo de Leite

(el vendedor de Alcatraces Diego Rivera)
Morrer de sede em frente ao mar

Ter copos de leite e mesmo assim chorar

Fome nunca mais ei de passar

Mesmo que na dor tenha que estar

Hoje é domingo, cinzento, frio

Esperop por notícias melhores

Quero o domingo como o copo de leite

Cheio, branco, feliz

Nunca precisei provar nada a ninguém

Só a mim. Eu o meu algóz.

Não são palavras bonitas que mudam o mundo

Muito menos boas intenções.

Atitude, atitude,atitude.




domingo, 24 de maio de 2009

hoje tem céu azul,
hoje tem biblioteca,
Amanhã prova! Que merda!
Cheguei ontem do sul
Mar nem vi,
Por que não tinha azul
Mas de lá tive que sair
Por que havia de chegar aqui
Aeroporto, trabalho, carro, casa!

sábado, 23 de maio de 2009






penso sobre as cores,
reflito sobre o denso,
transpareço em absorto,
nadei por mares bravios de minha terra natal
então ao largo passo,
sabendo que isso nada quer dizer
não quis comer nem nada, neste dia
e não dava mais resposta, quando a gente queria pura conversa
por isso segue seco
segue a palo
segue calado
E desde então, sou porque tu és.
quadro maternidade eliseu, Renoir

sexta-feira, 22 de maio de 2009

estranho assistir a seriado;
estranho comer pao com linguiça;
estranho final de semana na cama;
estranho champanhe;
so estrnaho

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Economia

a estabilidade e instabilizante

sábado, 16 de maio de 2009

Silvio Minchia

Voglio sapere gli hobbies del potere.

In Italia, in questi giorni il nostro vocabolario è stato profondamente modificato.
Il decreto sicurezza e il suo contenuto e i respingimenti verso la Libia inaugurano un nuovo linguaggio, consolidando l'industria del terrore.
Non si capisce perchè un decreto sulla sicurezza debba contenere solo provvedimenti in materia d'immigrazione, e perchè i migranti di cui si parla, debbano essere definitivamente chiamati "clandestini", perchè la "clandestinità" divenga un reato, la cui prima conseguenza è il respingimento.
Malgrado la voce dell'ONU, della UE e delle organizzazioni no-profit, da oggi in una legge migrante=clandestino=criminale=respinto.
Un'eguaglianza questa pericolosa che comprende sequenze di definizioni , date dal potere.
Il potere definisce la scena, il frame in cui ci troviamo, in cui vada applicata la legge che da lui è stata elaborata secondo categorie che in natura non esistono.
In natura, il migrante non è un clandestino, non è un criminale.
Il potere è un'entità astratta o ha un volto ?
In Italia, come in altri paesi, il potere ha più volti.
Un pensiero , però, va a colui che ha dichiarato giorni fa che l'Italia non deve essere un paese multietnico, perchè questa è un'idea di sinistra.
Quest'uomo, detto anche in questi giorni Papi-Silvio, è colui che in teoria dovrebbe rappresentarci , invece di fare costantemente battute su minorenni e veline.
Quest'uomo ha operato sulla distinzione tra pubblico e privato, detiene molte fonti di potere e esercita una funzione pubblica.
Ci rappresenta.....?!?
Quest'uomo ha partecipato a definire il frame dell'immigrazione in Italia.
Quest'uomo decide sui respingimenti in Libia.
Quest'uomo ha degli hobbies e un volto.
Quest'uomo colloca le veline nelle liste del PDL.
Quest'uomo non vuole rispondere alle 10 domande poste dal giornale Repubblica.
Eppure io, come altri italiani, voglio sapere gli Hobbies del potere che decide le regole entro cui mi muovo.
In Italia vogliamo un Parlamento che sia pieno o di vecchi o di showgirls?
Vogliamo che chi ci rappresenti sia la voce del pensiero conformista e non sia capace di elaborare un'agenda politica seria e critica?
Ecco un video con un'intervista sul caso Naomi Letizia tratta dal website di Repubblica.
Per il pubblico di figlidinessuno, ecco PAPI SILVIO!!!!
Escrito por Maria Geovanna Mulè.

a auto-imagem de arquetipos fragmentados.

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Lingua

"(...)Vamos atentar para a sintaxe paulista
E o falso inglês relax dos surfistas
Sejamos imperialistas
Cadê? Sejamos imperialistas
Vamos na velô da dicção choo de Carmem Miranda
E que o Chico Buarque de Hollanda nos resgate
E Xeque-mate, explique-nos Luanda
Ouçamos com atenção os deles e os delas da TV Globo
Sejamos o lobo do lobo do homem
Sejamos o lobo do lobo do homem
Adoro nomesNomes em Ã
De coisa como rã e ímã...Nomes de nomes como Scarlet Moon Chevalier
Glauco Mattoso e Arrigo Barnabé, Maria da FéArrigo Barnabé
ESTRIBILHO(A)Incrível
É melhor fazer uma canção
Está provado que só é possível filosofar em alemão
Se você tem uma idéia incrível
É melhor fazer uma canção
Está provado que só é possível
Filosofar em alemãoBlitz quer dizer corisco
Hollywood quer dizer Azevedo
E o recôncavo, e o recôncavo, e o recôncavo
Meu medo!
3--V (A)
EA língua é minha Pátria
ZE eu não tenho Pátria: tenho mátria
EEu quero frátriaS--(C/A G/A D/A D A)
Poesia concreta e prosa caótica
Ótica futura
Samba
-rap, chic-left com banana
Será que ele está no Pão de Açúcar
Tá craude brô, você e tu lhe amo
Qué que'u faço, nego?
Bote ligeiro
Nós canto falamos como quem inveja negros
Que sofrem horrores no Gueto do Harlem
Livros, discos, vídeos à mancheia
E deixa que digam, que pensem,que falem"
Caetano

Morte e Vida severina/ Retirante

O meu nome é Severino,
como não tenho outro de pia.
Como há muitos Severinos,
que é santo de romaria,
deram então de me chamar
Severino de Maria
como há muitos Severinos
com mães chamadas Maria,
fiquei sendo o da Maria
do finado Zacarias.
Mais isso ainda diz pouco:
há muitos na freguesia,
por causa de um coronel
que se chamou Zacarias
e que foi o mais antigo
senhor desta sesmaria.
Como então dizer quem falo
ora a Vossas Senhorias?
Vejamos: é o Severino
da Maria do Zacarias,
lá da serra da Costela,
limites da Paraíba.
Mas isso ainda diz pouco:
se ao menos mais cinco havia
com nome de Severino
filhos de tantas Marias
mulheres de outros tantos,
já finados, Zacarias,
vivendo na mesma serra
magra e ossuda em que eu vivia.
Somos muitos Severinos
iguais em tudo na vida:
na mesma cabeça grande
que a custo é que se equilibra,
no mesmo ventre crescido
sobre as mesmas pernas finas
e iguais também porque o sangue,
que usamos tem pouca tinta.
E se somos Severinos
iguais em tudo na vida,
morremos de morte igual,
mesma morte severina:
que é a morte de que se morre
de velhice antes dos trinta,
de emboscada antes dos vinte
de fome um pouco por dia
(de fraqueza e de doença
é que a morte severina
ataca em qualquer idade,
e até gente não nascida).
Somos muitos Severinos
iguais em tudo e na sina:
a de abrandar estas pedras
suando-se muito em cima,
a de tentar despertar
terra sempre mais extinta,
a de querer arrancar
alguns roçado da cinza.
Mas, para que me conheçam
melhor Vossas Senhorias
e melhor possam seguir
a história de minha vida,
passo a ser o Severino
que em vossa presença emigra
Joao Cabral de Melo Neto/ Candido Portinari Obra Retirante

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Fake plastic trees

A green plastic watering can
For a fake chinese rubber plant
In the fake plastic earth
That she bought from a rubber man
In a town full of rubber plans
To get rid of itself
It wears her out, it wears her out
It wears her out, it wears her out
She lives with a broken man
A cracked polystyrene man
Who just crumbles and burns
He used to do surgery
On girls in the eighties
But gravity always wins
And it wears him out, it wears him out
It wears him out, it wears him out
She looks like the real thing
She tastes like the real thing
My fake plastic loveBut
I can't help the feeling
I could blow through the ceiling
If I just turn and run
And it wears me out, it wears me out
It wears me out, it wears me out
And if I could be who you wanted
If I could be who you wanted
All the time, all the time
Radiohead!

quarta-feira, 13 de maio de 2009

tatuagem

Quero ficar no teu corpo
Feito tatuagem
Que é prá te dar coragem
Prá seguir viagem
Quando a noite vem...

E também prá me perpetuar
Em tua escrava
Que você pega, esfrega
Nega, mas não lava...

Quero brincar no teu corpo
Feito bailarina
Que logo se alucina
Salta e te ilumina
Quando a noite vem...

E nos músculos exaustos
Do teu braço
Repousar frouxa, murcha
Farta, morta de cansaço...

Quero pesar feito cruz
Nas tuas costas
Que te retalha em postas
Mas no fundo gostas
Quando a noite vem...

Quero ser a cicatriz
Risonha e corrosiva
Marcada a frio
Ferro e fogo
Em carne viva...

Corações de mãe, arpões
Sereias e serpentes
Que te rabiscam
O corpo todo
Mas não sentes...
Chico Buarque

terça-feira, 12 de maio de 2009

Viva La Vida

Frida Kahlo.
Ich bin!
Du Bist!
Sie ist!
Viva la Vida!

domingo, 10 de maio de 2009

Mae!

Minha corMinha florMinha caraQuarta estrelaLetras, trêsUma estradaNão sei se o mundo é bomMas ele está melhorDesde que você chegoue perguntou:Tem lugar pra mim?EspatódeaGineceuCor de pólenSol do diaNuvem brancaSem sardasNão sei se o mundo é bomMas ele está melhorPorquê você chegouE explicouO mundo pra mimNão sei se esse mundo está sãoMas pro mundo que eu vim já não eraMeu mundo não teria razãoSe não fosse a ZoeEspatódeaGineceuCor de pólenSol do diaNuvem brancaSem sardasNão sei se o mundo é bomMas ele está melhorPorquê você chegouE explicouO mundo pra mimNão sei se esse mundo está sãoMas pro mundo que eu vim já não eraMeu mundo não teria razãoSe não fosse a Zoe
Nando Reis

quinta-feira, 7 de maio de 2009

No more

I can wait another day until I call you
You've only got my heart on a string and everything a-flutter
But another lonely night might take forever
We've only got each other to blame
It's all the same to me love
'Cause I know what I feel to be right

No more lonely nights
No more lonely nights
You're my guiding light
Day or night I'm always there

May I never miss the thrill of being near you
And if it takes a couple of years
To turn your tears to laughter
I will do what I feel to be right

No more lonely nights
Never be another
No more lonely nights
You're my guiding light
Day or night I'm always there
And I won't go away until you tell me so
No I'll never go away

Yes, I know what I feel to be right
No more lonely nights
Never be another
No more lonely nights
You're my guiding light
Day or night I'm always there

And I won't go away until you tell me so
No I'll never go away

And I won't go away until you tell me so
No I'll never go away

no more lonely nights... no more...

terça-feira, 5 de maio de 2009

sexta-feira, 1 de maio de 2009

terça-feira, 28 de abril de 2009

Como o rei Creote, ele se anula
A bem de outro Estado.
Caçando prosódias e paródias
A fim de acalantar a dor.
A mesma que angustiante outrora foi
Sobre primas angulares ele se põe a refletir
Como o King Lear em meio à floresta.
Por isso faz de si o seu verdugo, O seu Big Brother em sua telelela, em seu IngSoc.
Num pan-óptico foucauniano tentas perceber seus erros, falhas.
Trazendo a sua face Münch.
Mesma que um dia naif foi.
I just want in the final point
Or one upward messager for make me happy.
Ich kein bin Bär
Ich kein ein alle
Por qua je sui Je
ما هي إنفلونزا الخنازير؟

domingo, 26 de abril de 2009

Un grande spettacolo a ventitré ore
prepara il vostr'umile
e buon servitore!
(riverenza comica)
Vedrete le smanie
del bravo Pagliaccio;
e com'ei si vendica
e tende un bel laccio...
Vedrete di Tonio
tremar la carcassa,
e quale matassa
d'intrighi ordirà.
Venite, onorateci
signori e signore.
A ventitré ore! A ventitré ore!
Eh! Eh! Vi pare?

Un tal gioco, credetemi,
è meglio non giocarlo con me,
miei cari; e a Tonio...
e un poco a tutti or parlo!
Il teatro e la vita
non son la stessa cosa;
no... non son la stessa cosa!!...
E se lassù Pagliaccio
sorprende la sua sposa
col bel galante in camera,
fa un comico sermone,
Poi si calma od arrendesi
ai colpi di bastone!...
Ed il pubblico applaude,
ridendo allegramente!

Ma se Nedda sul serio
sorprendessi...
altramente finirebbe la storia,
com'è ver che vi parlo!...
Un tal gioco, credetemi,...
è meglio non giocarlo!
Recitar!
Mentre presso dal delirio
non so più quel che dico
e quel che faccio!
Eppur è d'uopo... sforzati!
Bah! sei tu forse un uom?
Tu sei Pagliaccio!

Vesti la giubba
e la faccia infarina.
La gente paga e rider vuole qua.
E se Arlecchin
t'invola Colombina,
ridi, Pagliaccio...
e ognun applaudirà!
Tramuta in lazzi
lo spasmo ed il pianto;
in una smorfia
il singhiozzo e'l dolor...
Ridi, Pagliaccio,
sul tuo amore in franto!
Ridi del duol
t'avvelena il cor!
No! Pagliaccio non son;
se il viso è pallido,
è di vergogna,
e smania di vendetta!
L'uom riprende i suoi dritti,
e'l cor che sanguina vuol sangue
a lavar l'onta,
o maledetta!
No, Pagliaccio non son!
Son quei che stolido
ti raccolse orfanella in su la via
quasi morta di fame,
e un nome offriati,
ed un amor ch'era febbre e follia!

Sperai,
tanto il delirio accecato m'aveva,
se non amor, pietà... mercé!
Ed ogni sacrifizio al cor lieto,
imponeva, e fidente credeva
più che in Dio stesso, in te!
Ma il vizio alberga sol
ne l'alma tua negletta;
tu viscere non hai...
sol legge e'l senso a te!
Va, non merti il mio duol,
o meretrice abbietta,
vo' ne lo sprezzo mio
schiacciarti sotto i piè!

de Leoncavallo

No, pagliaccio non son" Pagliacci

Jesus no Xadrez

No tempo em que as estradas
Eram poucas no sertão
Tangerinos e boiadas
Cruzavam a região
Entre volante e cangaço
Quando a lei
Era a do braço
Do jagunço pau-mandado
Do coroné invasô
Dava-se no interiô
Esse caso inusitado

Quando o Palmeira das Antas
Pertencia ao capitão
Justino Bento da Cruz
Nunca faltô diversão
Vaquejada, canturia
Procissão e romaria
sexta-feira da paxão

Na quinta-feira maió
Dona Maria das Dores
No salão paroquial
Reuniu os moradores
Depois de uma preleção
Ao lado do capitão
Escalava a seleção
De atrizes e atores

Todo ano era um Jesus
Um Caifaz e um Pilatos
Só não mudavam a cruz
O verdugo e os maltratos

O Cristo daquele ano
Foi o Quincas Beija-flor
Caifaz foi Cipriano
Pilatos foi Nicanô

Duas cordas paralelas
Separavam a multidão
Pra que pudesse entre elas
Caminhar a procissão

Quincas conduzindo a cruz
Foi num foi adivirtia
O Cinturião perverso
Que com força lhe batia

Era pra bater maneiro
Bastião num intidia
Divido um grande pifão
Que tomou naquele dia
D'um vinho que o capelão
Guardava na sacristia

Cristo dizia:
- Ô rapais, vê se bate divagar
Já to todo incalombado
Assim num vô agüentar
Tá cá gota pra duer
Ou tu pára de bater
Ou a gente vai brigar
Jogo já essa cruis fora
Tô ficando aperriado
Vô morrê antes da hora
De ficar crucificado

O pior é que o malvado
Fingia que num ouvia
E além de bater com força
Ainda se divirtia
Espiava pra Jesus
Fazia pôco e dizia:
- Que Cristo frôxo é você?!
Que chora na procissão
Jesus, pelo que se sabe
Num era mole assim não
Eu to batendo com pena
Tu vai vê o que é bom
Na subida da ladeira
Da venda de Fenelom
O côro vai ser dobrado
Até chegar no mercado
A cuíca muda o tom

Naquele momento ouviu-se
Um grito na multidão
Era Quincas
Que com raiva
Sacudiu a cruz no chão
E partiu feito um maluco
Pra cima de Bastião
Se travaram no tabefe
Pontapé e cabeçada
Madalena levou queda
Pilatos levou pancada
Deram um cacete em Caifaz
Que até hoje num faz
Nem sente gosto de nada

Dismancharam a procissão
O cacete foi pesado
São Tumé levou um tranco
Que ficou desacordado
Acertaram um cocorote
Na careca de Timote
Que inté hoje é aluado

Inté mesmo São José
Que num é de confusão
Na ânsia de defender
Seu filho de criação
Aproveitou a garapa
Pra dar um monte de tapa
Na cara do bom ladrão

A briga só terminou
Quando o dotô delegado
Interviu e separô
Cada santo pro seu lado

Desde que o mundo se fez
Foi essa a primêra vez
Que Jesus foi pro xadrês
Mas num foi crucificado
Cordel do Fogo Encantado
Na porta lentas luzes de neon

Na mesa flores murchas de crepon

E a luz grená filtrada entre conversas

Inventa um novo amor, loucas promessas

De tomara-que-cais surge a crooner do norte

Nem aplausos, nem vaias: um silêncio de morte

Ah, quem sabe de si nesses bares escuros

Quem sabe dos outros, das grades, dos muros

No drama sufocado em cada rosto

A lama de não ser o que se quis

A chama quase morta de um sol posto

A dama de um passado mais feliz

Um cuba-libre treme na mão fria

Ao triste strip-tease da agonia

De cada um que deixa o cabaré

Lá fora a luz do dia fere os olhos

Ah, quem sabe de si nesses bares escuros
João Bosco

sábado, 25 de abril de 2009

Equilibrio geral

se o equilibrio de Leon Walras fosse verdade fora do papel, a URSS nao teria acabado

quinta-feira, 23 de abril de 2009

In memorian

Be near me when my light is low,
When the blood creeps, and the nerves prick
And tingle; and the heart is sick,
And all the wheels of Being slow.

Be near me when the sensuous frame
Is rack’d with pangs that conquer trust;
And Time, a maniac scattering dust,
And Life, a Fury slinging flame.

Be near me when my faith is dry,
And men the flies of latter spring,
That lay their eggs, and sting and sing
And weave their petty cells and die.

Be near me when I fade away,
To point the term of human strife,
And on the low dark verge of life
The twilight of eternal day.
Alfred Lord Tennyson

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Canção dos Piratas

hoje o tempo parece tranquilo
uma brisa soprada de leve, ahey, ahey
hoje o mar mais parece um espelho refletindo
bonecos de neve
ahey ahey
diz o capitao que amanha de manha
se continuar essa viração
nós vamos chegar ao mar do japao
Sa e Guarabyra

terça-feira, 14 de abril de 2009

AS CISMAS DO DESTINO

"Calou-se a voz. A noite era funesta.
E os queixos, a exibir trismos danados,
Eu puxava os cabelos desgrenhados
Como o rei Lear, no meio da floresta!

Maldizia, com apóstrofes veementes,
No estentor de mil línguas insurretas,
O convencionalismo das Pandetas
E os textos maus dos códigos recentes!

Minha imaginação atormentada
Paria absurdos... Como diabos juntos,
Perseguiam-me os olhos dos defuntos
Com a carne da esclerótica esverdeada.

Secara a clorofila das lavouras.
Igual aos sustenidos de uma endecha
Vinha-me ás cordas glóticas a queixa
Das coletividades sofredoras.

O mundo resignava-se invertido
Nas forças principais do seu trabalho...
A gravidade era um principio falho,
A análise espectral tinha mentido!

O Estado, a Associação, os Municípios
Eram mortos. De todo aquele mundo
Restava um mecanismo moribundo
E uma teleologia sem princípios.

Eu queria correr, ir para o inferno,
Para que, da psique no oculto jogo,
Morressem sufocadas pelo fogo
Todas as impressões do mundo externo!

Mas a Terra negava-me o equilíbrio...
Na Natureza, uma mulher de luto
Cantava, espiando as árvores sem fruto.
A canção prostituta do ludibrio!"
Augusto dos Anjos

Ode , On Intimations Of Immortality Analysis

I



"There was a time when meadow, grove, and stream,

The earth, and every common sight,

To me did seem

Apparelled in celestial light,

The glory and the freshness of a dream.

It is not now as it hath been of yore;--

Turn wheresoe'er I may,

By night or day,

The things which I have seen I now can see no more.



II



The Rainbow comes and goes,

And lovely is the Rose,

The Moon doth with delight

Look round her when the heavens are bare,

Waters on a starry night

Are beautiful and fair;

The sunshine is a glorious birth;

But yet I know, where'er I go,

That there hath past away a glory from the earth.



III



Now, while the birds thus sing a joyous song,

And while the young lambs bound

As to the tabor's sound,

To me alone there came a thought of grief:

A timely utterance gave that thought relief,

And I again am strong:

The cataracts blow their trumpets from the steep;

No more shall grief of mine the season wrong;

I hear the Echoes through the mountains throng,

The Winds come to me from the fields of sleep,

And all the earth is gay;

Land and sea

Give themselves up to jollity,

And with the heart of May

Doth every Beast keep holiday;--

Thou Child of Joy,

Shout round me, let me hear thy shouts, thou happy

Shepherd-boy!



IV



Ye blessed Creatures, I have heard the call

Ye to each other make; I see

The heavens laugh with you in your jubilee;

My heart is at your festival,

My head hath its coronal,

The fulness of your bliss, I feel--I feel it all.

Oh evil day! if I were sullen

While Earth herself is adorning,

This sweet May-morning,

And the Children are culling

On every side,

In a thousand valleys far and wide,

Fresh flowers; while the sun shines warm,

And the Babe leaps up on his Mother's arm:--

I hear, I hear, with joy I hear!

--But there's a Tree, of many, one,

A single Field which I have looked upon,

Both of them speak of something that is gone:

The Pansy at my feet

Doth the same tale repeat:

Whither is fled the visionary gleam?

Where is it now, the glory and the dream?



V



Our birth is but a sleep and a forgetting:

The Soul that rises with us, our life's Star,

Hath had elsewhere its setting,

And cometh from afar:

Not in entire forgetfulness,

And not in utter nakedness,

But trailing clouds of glory do we come

From God, who is our home:

Heaven lies about us in our infancy!

Shades of the prison-house begin to close

Upon the growing Boy,

But He beholds the light, and whence it flows,

He sees it in his joy;

The Youth, who daily farther from the east

Must travel, still is Nature's Priest,

And by the vision splendid

Is on his way attended;

At length the Man perceives it die away,

And fade into the light of common day.(...)"

William Wordsworth

segunda-feira, 13 de abril de 2009

O catador

"Um homem catava pregos no chão.
Sempre os encontrava deitados de comprido,
ou de lado,
ou de joelhos no chão.
Nunca de ponta.
Assim eles não furam mais - o homem pensava.
Eles não exercem mais a função de pregar.
São patrimônios inúteis da humanidade.
Ganharam o privilégio do abandono.
O homem passava o dia inteiro nessa função de catar
pregos enferrujados.
Acho que essa tarefa lhe dava algum estado.
Estado de pessoas que se enfeitam a trapos.
Catar coisas inúteis garante a soberania do Ser.
Garante a soberania de Ser mais do que Ter."
Maneul de Barros

domingo, 12 de abril de 2009

Over!

****
تناولت المحاضره التعريف بحباً فى رسول الله
1-كيف كانت بدايه الحمله ؟
فى مدرسه من المدارس الاسلاميه الخاصه بالقاهره الكبري حيث كانت تواجه مدرسه اللغه العربيه مشاكل فى تعليم الاطفال العلوم و المبادء و القيم الاخلاقيه فقد اعطت كل ما لديها دون فائده مرجوه او نتيجه ملموسه , و حيت اتي بها الياس , استدارت الي السبوره موجها قلبها الي الله تعالي وكتبت بين التاريخين عنوان " حبا فى رسول الله " و حينها لم تسمع للاطفال صوت وحين استدارات كانوا كلهم اعين موجه لحباً فى رسول الله و حينها سال احدهم لماذا حبا فى رسول الله و اجابتهم واستفاضات و ختمت بانه حبا فى رسول الله يجب ان يتعلموا ليصبحوا علماء فى الاسلام كما المسلمين الاوائل يجب ان يمارسوا الالعاب الرياضيه حبا فى رسول الله لنصرته.
وكيف ان هؤلاء الاطفال هم كانوا بذره حمله حباً فى رسول الله بفطرتهم السليمه للاسلام وقد اكدت لعلها خير انها فطرت الاسلام الاول يهي التي حركتهم لحب رسول الله و هي التي اخرت منهم هذه الطاقه الايجابيه للتغير للافضل.
2- من لبي النداء" حباً في رسول الله"؟
النساء ثم النساء هن اللاتي بذلن قصاري جهدن حتي مع وجود التزام العمل اليومي, الاسره, الدراسه و الامتحانات الدراسيه, حتي عائق المسافه , واستشهدت الاخت الشريفه " لعلها خير" بمدام/ كريمه الفاضله التي اتت الينا من جنوب مصر من اخر البقاع لتلبي النداء " حبا فى رسول الله" و قد اضافت بحضورها بركه الطاقه التي زرعتها بقلوبنا جميع, هذه السيده الفاضله التي تواجدت مع الحمله فى اول لقاء لاعضاءها و التي كانت بمنزلها الساعه الثالثه صباحاً. هن نساء المسلمين هن سياتي علي ايدهن البركه ان شاء الله , لقد لبوا نداء حباً فى رسول الله, وايضاً تحدثت عن الاخوات خارج مصر و هن اللاتي جاءوا للحمله بالابحاث الخاصه بالنساء و اسرهن و عملهن و مظهرهن ,و بالنساء العاملات التي تتطوعن لترجمه كتب للحمله لكي تنهض بالأنثي المسلمه.

terça-feira, 7 de abril de 2009

à Andy Warhol


"(...)Consumido pela culpa, pela vergonha, por
medos e inseguranças, o macho é, contudo,
obcecado, graças à sensação física
perceptível somente por muita sorte, por
meter. É capaz de atravessar um rio de
catarro ou de andar um quilômetro com
vômito até o nariz se acreditar que uma
boceta amiga o espera no final. Trepará com
uma mulher que ele despreza, qualquer
bruaca desdentada, e pagará por isso.
Porquê? Para aliviar a tensão física não é
resposta, já que isso a masturbação resolve.
Para satisfazer o ego também não porque
cadáveres e bebês não proporcionam tal
prazer.(...)"
Valerie Solanas

O Vento

Posso ouvir o vento passar
Assistir a onda bater
Mas o estrago que faz
A vida é curta pra ver

Eu pensei que quando eu morrer
Vou acordar para o tempo
E para o tempo parar

Um século, um mês
Três vidas e mais
Um passo pra trás?
Por que será?
...
Vou pensar

Como pode alguém sonhar
O que é impossível saber
Não te dizer o que eu penso
Já é pensar em dizer
Isso eu vi, o vento leva!

Não sei mas sinto que é como sonhar
Que o esforço pra lembrar
É vontade de esquecer
E isso por que?
(diz mais)

Ú
Se a gente já não sabe mais
Rir um do outro meu bem
Então o que resta é chorar
E talvez
se tem que durar
Vem renascido o amor
bento de lágrimas.

Um século, três
Se as vidas atrás
São parte de nós
E como será?

O vento vai dizer lento que virá
E se chover demais
A gente vai saber,
Claro de um trovão,
Se alguém depois sorrir em paz
(Só de encontrar...)
Los Hermanos

quarta-feira, 1 de abril de 2009

desde que o mundo é mundo.

Eu queria pensar nas possiblidades remotas e vê-las como se possível fosse.
Gostaria que minhas certezas nem sempre fossem tão certas.
Que o inxorável as vezes me ajudasse com uma chance.
Que por muitas vezes o infável fosse parlamentável.
Que o pra sempre, pra sempre durasse.
Mas tudo o que me resta é pensar numa construção bauhausiana.
Vou criar uma ciência para tornar possível os meus quereres.
E ter minhas vontades respaldadas em vardades que já nascem sendo mentiras.

terça-feira, 31 de março de 2009

Cartola

Deixe-me ir preciso andar,
Vou por aí a procurar,
Rir pra nao chorar.

Deixe-me ir preciso andar,
Vou por aí a procurar,
Rir pra nao chorar.

Quero assistir o sol nascer,
Ver as águas dos rios correr,
Ouvir os pássaros cantar,
Eu quero nascer quero viver...

Deixe-me ir preciso andar,
Vou por aí a procurar,
Rir pra não chorar.

Se alguem por mim perguntar,
Diga que eu só vou voltar,
Depois que eu me encontrar...

Quero assistir o sol nascer,
Ver as águas dos rios correr,
Ouvir os pássaros cantar,
Eu quero nascer quero viver...

Deixe-me ir preciso andar,
Vou por aí a procurar,
Rir pra nao chorar.

Deixe-me ir preciso andar,
Vou por aí a procurar,
Rir pra nao chorar

quinta-feira, 26 de março de 2009

Sobre Economia

Nem Smith, Ricardo ou Marx;
muito menos Jevons, Menger ou Walras;
Keynes, Kaleck ou Schumpeter nem pensar;
epstemologicamente quem tinha razao
era Jeremy Bentham. O que importa
é ser feliz!

domingo, 22 de março de 2009

Nessum dorma

Nessun dorma! nessun dorma!
Tu pure, o, principessa,
Nella tua fredda stanza,
Guardi le stelle
Che fremono d'amore
E di speranza.

Ma il mio mistero e chiuso in me,
Il nome mio nessun sapra!
No, no, sulla tua bocca lo diro
Quando la luce splendera!

Ed il mio bacio sciogliera il silenzio
Che ti fa mia!

Dilegua, o notte!
Tramontate, stelle!
Tramontate, stelle!
All'alba vincero!
Vincero, vincero!

sexta-feira, 13 de março de 2009

azul

canto
branco
livre
uma bela noite pra voar

quinta-feira, 5 de março de 2009

Chico Morbeck

Nunca te disse que te amo

Nem soube sussurrar doçuras

em nossos melhores momentos



Não beijei teus pés como tua boca

nem tua boca como tuas coxas

nem tuas coxas como era meu desejo



Nunca disse que vivia ou morria por ti

nem implorei teu perdão, nem tua

volta

mesmo morrendo de desejo



Tudo bem, eu me rendo

Direi tudo isso um dia em poemas

Quando escrevê -los

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009



Campi di lavanda e l'auto che va
Dietro quei cipressi la strada piegherà
E passata la collina chissà,
Se la casa come un tempo mi apparirà.

Ed ogni volta che ti penso eri là
Quel sorriso in tasca largo ed incredulo
Quanti bimbi e cani avevi intorno
E che chiasso di colori al tramonto

E i ricordi si confondono, là dove non vorrei
Le memorie poi s'increspano e non so più chi sei
E i venti del cuore soffiano e gli angeli por ci abbandonano
Con la fame di volti e di parole
Seguendo fantasmi d'amore, i nostri fantasmi d'amore

E mi sembrava quasi un'eternità
Che non salivo scalzo sopra quel glicine
in penombra ti guardavo dormire nei capelli tutti i nidi d'aprile

E le immagini si perdono, fermarle non potrei
E le pagine non svelano, chi eri e chi ora sei
E i venti del cuore soffiano e gli angeli poi ci abbandonano
Con la voglia di voci e di persone
Seguendo fantasmi d'amore, i nostri fantasmi d'amore
Seguendo fantasmi d'amore, i nostri fantasmi d'amore

Quando i venti del cuore soffiano
Seguiamo fantasmi d'amore, i nostri fantasmi d'amore
Bubola

Frida


Ich bin angust!
Wir sind lieben!
Frida ist All!

Bela


O luar branco, um riso de Jesus,
Inunda a minha rua toda inteira,
E a Noite é uma flor de laranjeira
A sacudir as pétalas de luz…

A luar é uma lenda de balada
Das que avozinhas contam à lareira,
E a Noite é uma flor de laranjeira
Que jaz na minha rua desfolhada…

O Luar vem cansado, vem de longe,
Vem casar-se co´a Terra, a feiticeira
Que enlouqueceu d´amor o pobre monge…

O luar empalidece de cansado…
E a noite é uma flor de laranjeira
A perfumar o místico noivado!…

Florbela Espanca - Trocando olhares - 30/04/1917

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

O Velho e o Novo

Desde então procuro descançar fatos, aqui sentado à mesa da sala, à hora em que os grilos cantam e a folhagem dos bambus se tingem de preto. Reflito
As vezes entro pela noite, passo tempo sem fim acordando lembraças. outras vezes me ajeito com essa ocupação nova
Por isso cancei deste nao findar. Por que sei que nao há fim, mesmo o querendo. Ainda mais quero o recomeçar. Posto que o recomeçar sempre o novo traz e com o influxo do novo o velho se debate, agoniza pondo a coragem a prova.
Então lhe proponho o novo que muito do velho tem, contudo deverás novo é.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Morte vida Severina

"...E não há melhor resposta
que o espetáculo da vida:
vê-la desfiar seu fio,
que também se chama vida,
ver a fábrica que ela mesma,
teimosamente, se fabrica,
vê-la brotar como há pouco
em nova vida explodida;
mesmo quando é assim pequena
a explosão, como a ocorrida;
mesmo quando é uma explosão
como a de há pouco, franzina;
mesmo quando é a explosão
de uma vida severina."
Joao Cabral de Melo Neto

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

TEMPOS

Embala no seio
o desejo do desconhecido

Embala na rede
as reticêcias da
histórias que já foi.

Embala na cadeira
as lembranças,
eco distante,
remanso da vida
que passou.

SÔNIA BITTENCOURT DE SÁ

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

domingo, 1 de fevereiro de 2009

sábado, 31 de janeiro de 2009

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Ze Keti e Dino 7 cordas!

Duas grandes egrégios da mpb!

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Bill Evans The Days of Wine and Roses

aniversário

Hoje é o meu aniversário.

Sem muito o que dizer, sem muito o que pensar nesta data.

A reflexão foi feita.

A conclusão ainda não foi apresentada.

Muito que arrumar aqui em casa.

Mesmo assim descanso.

Por que o ex ant foi foda!

O ex post espero que seja mais ameno

Menos confusão, menos dor, menos um monte de coisas.

Mais alguns dias em casa. Arrumar as malas.

Pé na estrada

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Strawberry Fields Forever

Let me take you down´Cause I´m going to
Strawberry Fields
Nothing is real
And nothing to get hung about
Strawberry Fields forever
Living is easy with eyes closed
Misunderstanding all you see
It´s getting hard to be someone
But it all works out
It doesn't matter much to me
No one I think is in my tree
I mean it must be high or low
That is you can't you know tune in
But it's all right
That is I think it's not too bad
Let me take you down´Cause I´m going to
Strawberry FieldsNothing is real
And nothing to get hung about
Strawberry Fields forever
Always, no, sometimes, think it's me
But you know I know when it's a dream
I think, er, no I mean, er, yes
But it's all wrongThat is I think I disagree
Let me take you down´Cause I´m going to
Strawberry Fields
Nothing is real
And nothing to get hung about
Strawberry Fields forever
Strawberry Fields forever
Strawberry Fields forever
THE BEATLES

sábado, 3 de janeiro de 2009

minha cidade


ANo NoVo

Se minha alma pudesse gritar
Berraria
Se meu coração pudesse falar
Recitaria
Todas as palavras que um dia
Proferiram
Todas as formar de amar
Dançar
Posto por dias kafkiniano
O inesperado ocorre e a rotina esdrúxula
Chega trazendo consigo o raiar do sol
Ou poderia dizer o piscar dos novos olhos verdes
Os velhos? Não enxergo mais. Porém os novos
Ah os novos... os novos todos os dias, pois, os dias são ensolarados
Quando os enxergo. a chuva passou
Eles me fazem cruzar a divisa
Trás, frente e lado tudo tem cor
Que os anjos digam amem

quinta-feira, 1 de janeiro de 2009